quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Trecho do meu livro-Diário dos passos

" Garoava constantemente na cidade, naquele ano ja tornara-se rotina andar na chuva, há horas eu estava caminhando, tentando expurgar pensamentos que certamente me colocariam em problemas e com certeza, eles iam contra os meus principios morais.O desejo de sexo com a garota dos seus sonhos não é nada ruim, mas apartir do momento que ela ja esta casada e com filho, me torturava.Eu queria estar no lugar daquele cara, mas minha moral de forma alguma permitiria que meus labios pronunciassem a ela coisas tão verdadeiras.Não, não falo de sexo, falo de amor.Não sei de fato como é o sexo quando duas pessoas se gostam de verdade,quando não se trata só de prazer e sim de satisfazer à sua amada, em corpo, coração e espirito.Eu tinha que fugir dela pra que ela não me torturasse,mesmo sem dizer uma unica palavra,tinha que fingir doenças e falta de tempo pra conversar, por que eu jamais poderia dizer verdades tão unicas pra ela.
Quando dei por mim ela estava na minha frente,aquela chuva a deixava mais divina e mais mulher e mesmo estando a poucos metros dela, fingi não vê-la e claro, foi inutil.Ela me abraçou forte, eu não ousava dizer uma só palavra,nem ao menos olha-la nos olhos;tentei andar mas ela segurou minha mão e tentou me levar ao seu carro afim de me dar uma carona pra casa.Despreparado psicologicamente como estava,de forma alguma eu poderia aceitar,soltei minha mão da dela e lhe disse pra me deixar em paz.Voltei a caminhar com a cabeça bem mais pesada e com uma tristeza marcada ao compasso daquela chuva invernal.
Só Deus sabe o que poderia ter acontecido naquele carro.




2 comentários:

Manu * disse...

Podia ter sido o que vc queria, mas isso poderia significar sua desgraça tb :B

Se vc a respeita por causa do que citou e tal, fez certo :)

Bjo, boa quinta xD

thata disse...

você tem que continuar a escrever, achei muito legal esse trecho, e voltarei p/ ver a continuação.

Ocorreu um erro neste gadget