domingo, 13 de fevereiro de 2011

Alguns Abraços.


Recebo abraços frios da solidão, mantenho-me calado e não permito que ninguém se aproxime das janelas, sejam elas virtuais ou não. Tento prever o futuro e acabo surtando por alguns instantes.
Palavras impensadas acabam machucando bem mais do que o esperado e eu não sei a hora certa de parar de pensar somente em mim, alias eu nunca fui muito bom em dividir nada.
 Egocentrismo. Palavra que ecoa na minha cabeça cheia.
Começo a acreditar em coisas que nunca se quer toquei. Amor?
Alias se desacretitarmos de tudo não seriamos humanos, vem do nosso ser, acreditar em algo, isso nos faz acordar cedo, nos faz trabalhar, estudar, tocar...
Saimos de uma infância confortavel, onde tudo era eterno e passava devagar, e agora cada dia corre como um ano e parece que fazemos milhões de coisas, isso acaba por trazer um certo vazio, uma certa solidão e saudade de épocas mais tranquilas.
Será que volta?
A  solidão me abraça friamente e eu acabo por desligar os telefones, afim de tentar entendê-la.
Afim de me ver um pouco mais perto de mim mesmo. Sim dessa vez sou eu para mim mesmo. E ponto.

Rangel- 01h 33 min
Quarta-Feira, 09 de fevereiro de 2011                                       

Um comentário:

Lidi Dias disse...

"O vazio é preenchido de vazio.."
Eu tenho de concordar, quanto mais fazemos nossas coisas( que cada dia fica mais corrido) Mas vazio nós sentimos e a pergunta no final de um dia tenso: O que eu estou fazendo?
Parabéns pelo artigo!
Escreve muito bem !
Beijos na sua Alma

Ocorreu um erro neste gadget