segunda-feira, 11 de junho de 2012

4h59

Ás 5h da manhã chega e finalmente o coração pulsa menos e a respiração muda, os ombros finalmente relaxam, os músculos que tremiam finalmente dão trégua e a escuridão do quarto parece aconchegante. 

Maldade não permitir conforto e antes de me tirar um sorriso gostoso, pense se você é capaz de trazer um maior de volta.

Deletado. É a primeira palavra que surge no mais sincero dos pensamentos.

O dia é praticamente deletado do calendário por um simples desentendimento. Guloseimas, abraços, cobertores, carinhos e amassos evaporam na mesma velocidade que ás palavras de fúrias chegam elas sempre são ás mais facéis de serem proferidas porque após a tempestade um simples " Eu estava zangada", trará a paz novamente.

Algumas lágrimas surgem no rosto e no frio do começo do dia. A espera do coletivo, sinto vergonha de adentra-lo pelo simples fato de estar triste.

Como flashes vem a composição do novo dia e consequentemente da nova semana: provas, sonos, trabalhos, sonos, vontades, sonhos, desejos, sonhos e você nunca aprendendo que um simples " Me desculpe também", muda o curso das coisas e torna tudo melhor.

Eu nunca mais vou permitir que você me retire a paz.
 
Queria tanto ter dormido. Me sinto cansado e nem o café da dona Ângela parecem serem animadores. 

Por vezes eu penso: Deve ter sofrido no passado, deve ter nós difíceis de serem desatados presos na garganta, por isso deve doer tanto assim voltar atrás ou mesmo se desculpar e tentar frear um momento ruim. Isso acaba gerando um certo combustível para um: Deixa ela, sofreu. Cuide apenas, você pode aguentar isso.

Há tanta energia para escrever uma coisa negativa e me ridicularizar mais um pouco em suas mensagens instantâneas e um certo esforço para uma mensagem de afeto. 

Claro, sou assim! Será a  resposta.
 

foto: Internet
 

Um comentário:

Sandra Botelho disse...

Nossa, isso foi pra mim...Me emocionei. porque estou passando por algo igual. Bjos achocolatados

Ocorreu um erro neste gadget