segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Bato e é oco

Adoro ser subestimado. É comum. Olhe minha falta de recurso e diga-Você não pode! Não ouse!

Te testei e percebi que em você o que importa de verdade são as coisas materiais que posso trazer e fazer, espero que antes que a sua alma deixe seu corpo, você possa perceber o quanto isso é inútil.

Vá e consuma cabelos, carros, seus imóveis, tuas roupas, sapados. Seu vazio. Nunca preenchido por um amor, por uma vontade maior, acabou se prendendo nas pequenas coisas que te ensinaram a amar. Coisas supérfluas.

Também gosto. Dinheiro? Claro! Dinheiro não trás felicidade, mas ajuda muito! Não tenho dúvida! Mas não cometa o erro de me julgar e nem de me dizer - Você não é digno dela.

Sinto o gosto amargo da bile que me preencheu minha boca e percebi em todo o panorama que você consegue olhar seu umbigo. Doce narcisismo.

Gostei de te ver se contrariando, sim também sou cretino. Não gosto de jogar, mas sei jogar muito bem.

Tem uma coisa em mim que não existe em você. Energia. Minha capacidade de sonhar e correr ao mesmo tempo alheio a adversidades, a obstáculos. Não temo o cansaço e coloco no primeiro lugar na minha vida as coisas que amo e por elas faço qualquer coisa.

Te vi ignorar o fato de alguém a ter machucado, traído sua filha, e você disse- Problema seu, se vira, foram suas escolhas. E com essa resposta, mostrou e ainda mostra a admiração pelo cara. rsrsrs. Você me faz rir muito no fim das coisas.

Não te odeio, não é isso o que essa palavras querem passar, ao contrário eu gosto muito de você e já fiz coisas que nem para minha mãe eu fiz, só tenho aversão a pessoa que você foi se tornando.

Como disse lá no começo do texto: Espero que antes que a vida deixe seu corpo, você possa falar menos e olhar melhor em volta.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget