sábado, 23 de abril de 2011

Crescendo.

 

Foi difícil crescer sem pai, ainda lembro-me da ultima grande briga. Luta fria, no chão, com lábios tremendo. Desde então eu tive medo de ficar sozinho. Medo do álcool. Crescer com flagelos familiares tem seus reflexos até hoje. Existe um medo de ser pai também, de ser bruto, de ser frio. 

Muitas vezes acabo rejeitando meu ultimo sobrenome, o acho feio, o acho prepotente.

Ao olhar os amigos com seus pais, vejo o quanto teria sido bom se as coisas tivessem dado certo, eu podia ter aprendido tanta coisa, ter sido apoiado em tantos aspectos.

Não tem nada de poético aqui hoje, isso é real. Isso dói de verdade.

Eu não queria ser egocêntrico, mas um elogio por estar na faculdade seria um apoio e tanto, ao invés disso eu apenas me sinto mais obrigado, pois sinto a necessidade de ser o melhor no que faço. Talvez como uma forma de mostrar que eu fui capaz seguir em frente apesar dos pesares dizer: “Veja eu consigo, mesmo sem você”.


Eu consigo mesmo sozinho.
Pois.
Eu sempre estou sozinho.

As verdades dos meus versos não são para machucar a ninguém, elas apenas servem para eu acabar compreendendo a minha própria personalidade.

2 comentários:

Cah Ribeiro disse...

duvido q vc não seja um bom pai,um cara carinhoso e atencioso com as pessoas q ama, tem lá seus momentos mas se vc souber quem e como ser perfeito avisa pra todo mundo ok?!e me inclui nessa ^^

Tábata Borges disse...

Sabe, eu te admiro pela garra que você tem . Me lembra muito aquele meu querido amigo, que eu sempre quis te-lo como inspiração, como exemplo! Não se sinta só, todos esses anseios, lembranças ruins de brigas com o pai, essa vontade de tentar mostrar sempre a todo custo que é o melhor ... É como se fosse um grito da alma: OLHA AQUI, EU CONSEGUI, EU SOU O MELHOR! ... Pode me dar parabéns agora ...
Com ele era igual. Parece até que estava lendo ele nas suas linhas ... Não sei o seu, mas o pai dele nem merecia todo esse esforço. De qualquer forma, o mérito foi dele, assim como o seu mérito tbm não vai para o seu pai, e sim pra ti mesmo. Eu te apoio, mas por favor, cuidado com essa saúde (:
Tudo bem que as vezes acho que o seu positivismo é cego, mas olhe só onde você já chegou. Isso porque ainda faltam milhares de coisas que você ainda está planejando, ou pondo pouco a pouco em prática ... Mas chegou longe, e chegou sem a ajuda de ninguém .
Você sempre me disse que uma palavra pode destruir tudo. Sabe lá, se mesmo com um pai presente, não seria ele que ia te arrancar o chão que pisa . Minha mãe sempre esteve presente, mas com uma ou duas palavras, me tirou todas as certezas e aqui estou eu perdida, como você vê, tendo que remexer milhões de coisas na minha cabeça, pra ver se entro nos eixos novamente .
Eu entendo que ele faz falta, mas de repente, há males que vem para o bem . Você nunca vai ter certeza sobre isso, então não vale a pena chorar pelo que já está feito .
Ouvi dizer que só era triste quem queria ... ♪ Será? ^^

Mas Parabéns Duende, você tem garra, tem força, faz guerra! Nada vem de graça, tudo é mérito, tudo é merecimento, e você é um exemplo disso! Acima de tudo, obrigada por ser essa inspiração pra mim, espero guardar cada detalhe dessa sua determinação e responsabilidade, para usar sempre comigo, num futuro próximo e a longo prazo ...
Pensei que estivesse só quando perdi o Felipe ... Hoje vejo que nem tanto .

Obrigada, e parabéns, você está conseguindo!

Ocorreu um erro neste gadget